quarta-feira, 24 de setembro de 2014

O que dizem os búzios

Qual foi a última vez que você foi a praia? Não há nada melhor do que tomar um aquele banho de mar e brincar na areia, não é mesmo? Algo bastante comum de se avistar na areia do mar são as conchas ou búzios. Essas estruturas são produzidas por pequenos organismos chamados bivalves, que geralmente vivem enterrados na areia se alimentando de partículas nutritivas que lá existem.

Conchas de bivalves espalhadas na areia da praia.

Os bivalves vivem dentro da concha sua vida inteira. Quando morrem, suas conchas são levadas para a superfície do mar pelas ondas, e assim é possível encontrar várias delas na areia. Os bivalves conseguem passar muito tempo vivos, mesmo quando estão fora d'água. Isso porque eles possuem músculos bastante desenvolvidos, fortes o bastante para manter as valvas de suas conchas bem fechadas. Além disso, eles são capazes de mudar seu metabolismo em situações de estresse e viver com o mínimo de oxigênio possível.

Bivalve com as valvas abertas expondo o sifão - órgão responsável pela respiração. (Foto: Wikipedia, 2014)
Bivalve fora d'água, mantendo as valvas fechadas. (Foto: University of California, 2014)

Você sabia que as conchas podem nos dizer muito sobre o animal que lá viveu? Nelas estão impressas as linhas de crescimento do animal, a impressão de seus músculos, inclusive nos dão uma pista de como esse organismo pode ter morrido. 

Umbo é a região mais velha da concha de um molusco, as linhas horizontais na concha simbolizam as linhas de crescimento e os músculos que mantém as valvas unidas ficam em cada oposto da valva, em formas circulares, veja abaixo:


Pronto, agora você já sabe o que significa cada marquinha presente em um búzio!




quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Pequenos brilhantes

Você já ouviu falar dos Ctenóforos?

Ctenóforos são pequenos animais marinhos parecidos com águas-vivas, os quais são conhecidos por apresentar fileiras de cílios ao longo do corpo, formando algo parecido com um pente. 

Ctenóforo Beroe abyssicola. Foto por Alexander Semenov.

Uma das faces deste animal, chamada de face ventral, contém a boca seguida da faringe. Os ctenóforos se alimentam de pequenos invertebrados e larvas de peixes que vivem flutuando na água. Algumas espécies se alimentam de águas-vivas e de outros ctenóforos! A outra face desses animais contém os poros anais, por onde eles excretam tudo o que seu corpo não consegue aproveitar.

Modificado de Sadava; Hillis; Heller & Bierbaun.2009. Life: the Science of Biology. Nineth edition. Sinauer Associates. 

Existem ctenóforos que possuem tentáculos revestidos por células adesivas, conhecidas como coloblastos, que atuam capturando a presa.

Ctenóforo cf. Dryodora glandiformis. Foto por Alexander Semenov.


Já outras espécies, não apresentam tentáculos e a captura de presas se dá diretamente pela boca e propulsão do corpo.
Ctenóforo Beroe cucumis. Foto por Alexander Semenov.

Assim como nós que possuímos órgãos específicos para nos manter equilibrados em nossos movimentos, os Ctenóforos apresentam o Estatocisto que os mantém equilibrados no eixo horizontal.

Essas pequenas criaturas também são famosas pela sua bioluminescência. Diferentemente dos outros animais, os ctenóforos possuem proteínas fluorescentes que emitem uma fluorescência inconstante, que os tornam mais interessantes.

Alimentação de ctenóforos sem tentáculos:



Ctenóforo com tentáculos e sua bioluminescência:




quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Árvore de natal no mar

Vermes em forma de pinheiro- Spirobranchus giganteus associados aos corais. Fonte: Nick Hobgoood em Wikipedia.
Esses incríveis vermes em formato de pinheiro pertencem a um grupo de animais vermiformes chamados Poliquetos (que quer dizer "muitas cerdas"). Esses exuberantes poliquetos são conhecidos na ciência como Spirobanchius giganteus.  

Esses animais exuberantes possuem o corpo cilíndrico rodeado por cerdas em espiral, que tanto servem para captar partículas nutritivas da água, quanto para captar o oxigênio essencial para a sua respiração. Sua pele secreta uma substância ácida capaz de cavar um pequeno tubo nos corais pétreos, esses tubos são a sua casa.

Spirobranchus giganteus - vista de corpo inteiro. Fonte: Rokus Groeneveld em Diversosa.com.

Esses poliquetos da espécie Spirobranchius giganteus vivem obrigatoriamente associados aos recifes de corais. Pesquisas indicam que este pequeno animal, apesar de usar o coral como abrigo e proteção, o ajude afastando predatores vorazes como a estrela-do-mar conhecida como coroa de espinhos.

Acanthaster planci - a incrível estrela-do-mar predadora, Fonte: Jon Hanson em Flickr.

Confira o vídeo abaixo com o animal em vida:






sábado, 14 de setembro de 2013

A busca implacável por alimento

É difícil para você adicionar vegetais ao seu almoço? Você tem um paladar exigente? Imagine você tendo que buscar sua refeição dividida entre os grãos da areia da praia.... Impossível? Não para esses organismos:

Molusco marinho do gênero Olivella. Fonte: Wikipedia.

Moluscos do gênero Olivella geralmente vivem enterrados na areia da praia, deixando rastros sinuosos por onde passam. Com seus tentáculos aguçados e um pé musculoso e ágil, esses moluscos percorrem a areia da praia para conseguir alimento. Restos de animais e algas são sua principal fonte de alimento.

Rastro deixado pelo Molusco Olivella minuta. Fonte: A. E. Migotto/Cifonauta.

Esses pequenos organismos possuem uma habilidade única com o pé, o qual consegue segurar firmemente o alimento. Sua boca é provida de uma fileira de afiados dentes que se movimentam em sincronia e são capazes de triturar o alimento em poucos minutos.

Outros organismos profissionais em conseguir comida entre os grãos de areia são as bolachas-da-praia. Essas criaturinhas são parentes das estrelas do mar e dos ouriços. As bolachas da praia são criaturas achatadas, sua boca fica virada para baixo. Esses animais possuem cinco dentes arranjados com músculos, formando uma estrutura chamada de Lanterna de Aristóteles. As bolachas com seu aparato bucal muito eficiente, conseguem captar entre os grãos de areia, partículas nutritivas que garantem sua alimentação. 

Bolacha da praia. Fonte: Wikipedia.


Além de ter que catar seu próprio alimento, as bolachas enfrentam ainda o vai e vem das ondas. Um de seus aparatos mais úteis nessa batalha são as fendas vazadas que permitem que a água e os grãos de areia perpassem pelo seu corpo mantendo-a enterrada e protegendo-a das tensões das ondas, que seriam capazes de partir seu corpo. 

Então, quando você se deparar com um legume indesejável no seu prato ou pensar em reclamar daquela alface no seu sanduíche, lembre-se de que poderia ser pior se você tivesse que catar seu almoço entre os grãos de areia de uma praia.